"A música é o esforço que fazemos para explicar a nós mesmos como o nosso cérebro funciona..."
   Então voltando!

Se liga aí... q eu acho q vou voltar a escrever aqui...

Não sei muito bem qual será o assunto escolhido nem a parte interessante de voltar a escrever... Mas sei lá me deu vontade de escrever...

Tá, é isso...

Humor do ano: ESTRESSADA!!!!

 

=)

Relaxa daqui a pouco passa!!!!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Tá maluco , rapaz!!



Escrito por Rachel Blossom às 23h29
[] [envie esta mensagem]


 
   Então é isso?

Que seja... grande merda de mundo...

Me importar? Não não! Já passei da fase de me importar com alguma coisa..

Não me importo... não me importo entendeu??

Ótimo!

Chegamos a um acordo!



Escrito por Rachel Blossom às 04h08
[] [envie esta mensagem]


 
  

foda se essa merda aqui!!!

 

Não posto mais!



Escrito por Rachel Blossom às 21h40
[] [envie esta mensagem]


 
   Rio

De volta ao Rio...

Escrito por Rachel Blossom às 01h28
[] [envie esta mensagem]


 
   Sem titulo....

Ando pegajosa...

Grande merda...

Ninguem pega em mim mesmo...

 

Nossa que falta de inspiração!

 

Ouvindo- Devildriver- Knee Deep



Escrito por Rachel Blossom às 03h16
[] [envie esta mensagem]


 
   Amor, de, de vez em quando.

O ano,
Passou, ou acabou.
Para mim, voou.
Em, certas, horas.
Parou, certas horas.
Passou, não.
Acabou, não.
Aprendi, cresci, conheci algumas pessoas interessantes, outras não.
Isto, não importa, o saldo foi positivo.
Rasguei alguns endereços, ou esqueci, não sei.
Amei bem mais.
Amor de confusão.
Amor de perdão.
Amor de dormir bem.
Amor de comer bem.
Amor de telefonar a cobrar.
Amor de chamar “mototáxi”.
Amor de sanduíche.
Amor de beber vinho “caro”.
Amor de ficar sozinho.
Amor bom.
Amor, de, de vez em quando.


Escrito por Rachel Blossom às 21h31
[] [envie esta mensagem]


 
  

Ah e mudando o modelo pra natal!

 

É claro... fica mais bonitinho!



Escrito por Rachel Blossom às 16h28
[] [envie esta mensagem]


 
   Supermercado

Fim hilariante foi o que assisti, hoje, no supermercado.
Um senhor de tenra idade, em brados, reclama do gerente, que os fósforos estavam com defeitos. Ele foi à prateleira pegou um pacote e abriu uma caixa.
Acendeu um a um, e pediu testemunhas, dizendo que aqueles fósforos só acendiam no empório.
Chamou todos para irem até o carro estacionado, e ao chegarem, tirou os fósforos que acabara de usar e colocar na caixa.
Um a um foi riscando e nada dos fósforos acenderem, sob os risos dos presentes.
O Gerente, tentou mostrar ao freguês que os fósforos estavam usados, e pegou uma caixa sem uso e riscou, acendendo-os.
O freguês não entendia nada.
E gritava que queria ver o Gerente acender os fósforos que ele usara.
Por muito tempo ficaram discutindo, até que a senhora do freguês chegou, e dando razão ao marido, disse que todos teriam uma surpresa. Ela, iria dar parte na Defesa do Consumidor.
O casal tinha um sotaque diferente do brasileiro, e só foram embora quando alguém perguntou se no fogão deles não tinha acendedor automático.
Eles disseram que sim, e tinham esquecido.
E, coçando a cabeça, disseram que jogaram dinheiro fora, ao comprar fósforos que só funcionavam no supermercado.
Fim.

Escrito por Rachel Blossom às 16h24
[] [envie esta mensagem]


 
   Uma verdadeira bosta

Não sei se é com todos q eu conheço, mas sabe aquele dia em q o mundo parece q vai cair na sua cabeça, mas não vai te matar... só te atolar cada vez mais, em pensamentos, sofrimentos, trabalhos... cansaço...te tirando o sono e apertando seu coração a cada hora que vc suspira...

Cansei... a tendência é piorar, eu sei, mas não vou suportar durante muito tempo...



Escrito por Rachel Blossom às 23h34
[] [envie esta mensagem]


 
   O quanto as coisas duram quando se vive sozinho...


O sabonete, a pasta de dente, duram... As frutas maduram... O pão, duro... E menos que duram: estragam. O próprio tempo parece que dura, mais lento, custoso... Mas nem por isso se envelhece menos - pelo contrário: a gente mesmo parece que também se estraga na solidão, nessa solidão mezzo culpa, mezzo rancor que é o depois de toda separação e só o entregador de pizza é "teu companheiro inseparável...". Porque até comer é triste: ninguém gosta de cozinhar só para si - e então é sanduíche, ovo, macarrão, tudo feito sem capricho e às pressas - ou pizza. Pizza e comida chinesa...

A casa é esse vazio: mulher quando parte leva tudo. Ficam os livros, alguns discos - aqueles dois ou três que a gente cisma de ouvir só pra se provar que não está sofrendo, que a vida é assim mesmo, que tudo acaba, melhor até do que se continuasse daquele jeito, durando como duram as coisas na solidão, durando pra se estragar...

Tá: foi bom, foi lindo - enquanto durou... E tudo bem: tem sempre um que sofre mais - e não sou eu, não pode ser eu - mas isso também passa, como tudo na vida passa e etc e tal... Mas tira esse disco que também ninguém é de ferro...

E aí volta o silêncio... O silêncio que é o som do tempo se arrastando, durando... E então, de repente, toca a campanhia! Mas, não, leitor - é só o entregador de pizza...



Escrito por Rachel Blossom às 19h29
[] [envie esta mensagem]


 
   PARADOXO DE NOSSO TEMPO

 
O paradoxo de nosso tempo na história é que temos edifícios mais altos, mas pavios mais curtos; auto-estradas mais largas, mas pontos de vista mais estreitos; gastamos mais, mas temos menos; nós compramos mais, mas desfrutamos menos.

Temos casas maiores e famílias menores;mais medicina, mas menos saúde. Temos
maiores rendimentos, mas menor padrão moral.

Bebemos demais, fumamos demais, gastamos de forma irresponsável, rimos de
menos, dirigimos rápido demais, nos irritamos muito facilmente, ficamos
acordados até tarde, acordamos cansados demais, raramente paramos para ler
um livro, ficamos tempo demais diante da TV e raramente pensamos...

Multiplicamos nossas posses, mas reduzimos nossos valores. Falamos demais,
amamos raramente e odiamos com muita frequência. Aprendemos como ganhar a vida, mas não vivemos essa vida.
Adicionamos anos à extensão de nossas vidas, mas não vida á extensão de nossos anos. Já fomos à Lua e dela voltamos, mas temos dificuldade em atravessar a rua e nos encontrarmos com nosso novo vizinho.

Conquistamos o espaço exterior, mas não nosso espaço interior. Fizemos
coisas maiores, mas não coisas melhores. Limpamos o ar, mas poluímos a alma.

Estes são tempos de refeições rápidas e digestão lenta; de homens altos e
caráter baixo; lucros expressivos, mas relacionamentos rasos. Estes são
tempos em que se almeja paz mundial, mas perdura a guerra no lares; temos
mais lazer, mas menos diversão; maior variedade de tipos de comida, mas
menos nutrição.

São dias de duas fontes de renda, mas de mais divórcios; de residências mais
belas, mas lares quebrados.

São dias de viagens rápidas, fraldas descartáveis, moralidade também
descartável, ficadas de uma só noite, corpos acima do peso, e pílulas que
fazem de tudo: alegrar, aquietar, matar.

É um tempo em que há muito na vitrine e nada no estoque; um tempo em que a
tecnologia pode levar-lhe estas palavras e você pode escolher entre fazer
alguma diferença, ou simplesmente apertar a tecla Del.



Escrito por Rachel Blossom às 13h53
[] [envie esta mensagem]


 
  

ODEIO COMPUTADORES... MEU EU QUERO MORRER MAIS Q NUNCA...

ODEIO SENTIR ESSE APERTO Q ME ATORMENTA AS NOITES DE SONO... Q ME DEIXAM SEM DIREÇÃO...

PRA MIM BASTA!



Escrito por Rachel Blossom às 13h45
[] [envie esta mensagem]


 
   FODA-SE

FODA-SE
O nível de stress de uma pessoa é inversamente proporcional à quantidade de "foda-se!" que ela fala.
Existe algo mais libertário do que o conceito do "foda-se!"?
O "foda-se!" aumenta minha auto-estima, me torna uma pessoa melhor.
Reorganiza as coisas. Me liberta.
"Não quer sair comigo? Então foda-se!". "Vai querer decidir essa merda sozinho(a) mesmo? Então foda-se!".
O direito ao "foda-se!" deveria estar assegurado na Constituição Federal.
Os palavrões não nasceram por acaso.
São recursos extremamente válidos e criativos para prover nosso vocabulário de expressões que traduzem com a maior fidelidade nossos mais fortes e genuínos sentimentos.
É o povo fazendo sua língua.
Como o Latim Vulgar, será esse Português Vulgar que vingará plenamente um dia.
"Pra caralho", por exemplo.
Qual expressão traduz melhor a idéia de muita quantidade do que "Pra caralho"?
"Pra caralho" tende ao infinito, é quase uma expressão matemática.
A Via-Láctea tem estrelas pra caralho, o Sol é quente pra caralho, o
universo é antigo pra caralho, eu gosto de cerveja pra caralho, entende?
No gênero do "Pra caralho", mas, no caso, expressando a mais absoluta negação, está o famoso "Nem fodendo!".
O "Não, não e não!" e tampouco o nada eficaz e já sem nenhuma credibilidade "Não, absolutamente não!" não o substituem.
O "Nem fodendo" é irretorquível, e liquida o assunto. Te libera, com a consciência tranqüila, para outras atividades de maior interesse em sua vida.
Aquele filho pentelho de 17 anos te atormenta pedindo o carro pra ir surfar no litoral?
Não perca tempo nem paciência. Solte logo um definitivo:
"Marquinhos, prestatenção, filho querido, NEM FODENDO!".
O impertinente se manca na hora e vai pro Shopping se encontrar com a turma numa boa e você fecha os olhos e volta a curtir o CD do Lupicínio.
Por sua vez, o "porra nenhuma!" atendeu tão plenamente as situações onde nosso ego exigia não só a definição de uma negação, mas também o justo escárnio contra descarados blefes, que hoje é totalmente impossível imaginar que possamos viver sem ele em nosso cotidiano profissional.
Como comentar a bravata daquele chefe idiota senão com um "é PhD porra nenhuma!", ou "ele redigiu aquele relatório sozinho porra nenhuma!
O "porra nenhuma", como vocês podem ver, nos provê sensações de incrível bem estar interior.
É como se estivéssemos fazendo a tardia e justa denúncia pública de um canalha.
São dessa mesma gênese os clássicos "aspone", "chepone", "repone" e, mais recentemente, o "prepone" - presidente de porra nenhuma

Escrito por Rachel Blossom às 04h28
[] [envie esta mensagem]


 
   Ressaca! O Dia Seguinte

Hoje, existem pílulas milagrosas, mas eu ainda sou do tempo das grandes ressacas. As bebedeiras de antigamente eram mais dignas, porque você as tomava sabendo que no dia seguinte estaria no inferno. Além da saúde era preciso coragem. A ressaca era a prova de que a retribuição divina existe e que nenhum prazer ficará sem castigo. Cada porre era um desafio ao céu e às suas fúrias. E elas vinham: Náusea, Azia, Dor de cabeça, Dúvidas Existenciais. Não que eu fosse um bêbado, mas me lembro de todos os sábados da minha adolescência como uma luta entre a cuba-libre e o meu instinto de preservação. A cuba sempre ganhava. Já os domingos não me lembro de nada, a não ser a tontura e a vontade de morrer. Jurava que nunca mais ia beber, mas, “nunca mais” dura pouco. Tentava-se de tudo para evitar a ressaca.Por exemplo:

UM CÁLICE DE AZEITE ANTES DE COMEÇAR A BEBER - O estômago se revolta, vc fica doente e desiste de beber.

TOMAR UM COPO DE ÁGUA ENTRE CADA COPO DE BEBIDA - O difícil é manter a regularidade. A certa altura vc começa a misturar a água com bebida, em proporções cada vez menores.Depois passa a pedir um copo de outra bebida entre cada copo de bebida.

UMA CERVEJA BEM GELADA NA HORA DE ACORDAR - por alguma razão é o método mais popular.

O SUMO DE UMA BATATA, SEMENTES DE GIRASSOL E FOLHAS DE GELATINA VERDE DISSOLVIDAS EM QUEROSENE - mistura-se tudo em um pirex forrado com figurinhas antigas de Walt Disney. Embebe-se um algodão, coloca-se na testa e deita-se com os pés virados na direção da ilha de Páscoa. Ficar imóvel durante três dias.

SUCO DE TOMATE, LIMÃO, MOLHO INGLÊS, SAL E PIMENTA - Para ser tomado no dia seguinte, de jejum. Adicionando vodca torna-se um bloody-mary.

TIPOS DE RESSACA

RESSACA DE GIM - na manhã seguinte vc não consegue abrir os dois olhos ao mesmo tempo. Abre um e quando abre o outro o primeiro se fecha. Fica com os ouvidos tão aguçados que escuta até os sinos da Candelária.

RESSACA DE VINHO - O pior é a sede. Vc se arrasta até a cozinha, tente alcançar a garrafa de água e cai tudo da geladeira em cima de vc. Só é descoberto na manhã seguinte soterrado pelos horti-fruti-granjeiros, chupando um pedaço de chuchu para combater a desidratação. É deserdado na hora.

RESSACA DE PINGA - Vc acorda, sem saber como, de pé, num canto do quarto.Leva meia hora para chegar até a cama por que se esqueceu como andar: é pé ante pé ou mão ante mão? Quando finalmente consegue deitar, tem a impressão de que esqueceu a coluna e as pernas no canto do quarto. Olha para cima e vê uma mancha que se parece com a Madonna piscando para vc.

RESSACA DE LICOR DE OVOS - Um dos poucos casos que a lei brasileira permite a eutanásia.

RESSACA DE CONHAQUE - Vc acorda lúcido. Tem, de repente, resposta para todos os enigmas do universo.A chave de tudo está no seu cérebro. Deve ser por isso que aqueles duendes mal-encarados estão tentando arrombar sua caixa craniana. Vc sabe que é alucinação, mas por via das dúvidas, esconde a machadinha da sua mãe embaixo do travesseiro.



Escrito por Rachel Blossom às 02h05
[] [envie esta mensagem]


 
   Gatos

Coisas que Aprendi com os meus Gatos

Faça do mundo o seu playground.

Quando você tiver fome, mie ruidosamente, só assim eles o alimentarão.

Sempre ache uma réstia de sol para um bom cochilo.

Cochile freqüentemente.

Quando estiver em dificuldade, só ronrone e pareça atraente.

Se a vida é dura, então cochile.

Sair da rotina é o segredo da vida. Um dia, ignore as pessoas; o próximo dia, os aborreça, e sempre brinque com eles quando eles estão ocupados.

Faça sua marca pelo mundo, ou pelo menos borrifique em cada canto.

 

Se Previna Contra os Gatos
 

             Gatos são menos leais que cachorros, mas mais independente. (O que significa dizer: " Gatos são mais inteligentes que cachorros, mas eles odeiam as pessoas ".)

             Muitas pessoas amam gatos. De vez em quando, jornais imprimem histórias sobre algum ancião que morreu e deixou herança para seus gatos. Alguns gatos também leram estas histórias, e sempre esperam ser nomeados como beneficiários de seus donos.

             Você sempre desejou saber onde seu gato vai quando fica fora durante várias horas? Ele se encontra com outros gatos para planejar como matá-lo, de forma a se tornaram seus herdeiros.

             Desculpe, mas eu achei que vocês deveriam saber.




Escrito por Rachel Blossom às 23h56
[] [envie esta mensagem]


 
  [ ver mensagens anteriores ]  
 
 

HISTÓRICO
 24/09/2006 a 30/09/2006
 16/07/2006 a 22/07/2006
 05/02/2006 a 11/02/2006
 15/01/2006 a 21/01/2006
 08/01/2006 a 14/01/2006
 01/01/2006 a 07/01/2006
 18/12/2005 a 24/12/2005
 11/12/2005 a 17/12/2005
 13/11/2005 a 19/11/2005
 14/08/2005 a 20/08/2005
 07/08/2005 a 13/08/2005
 26/06/2005 a 02/07/2005
 12/06/2005 a 18/06/2005
 05/06/2005 a 11/06/2005
 15/05/2005 a 21/05/2005
 24/04/2005 a 30/04/2005
 17/04/2005 a 23/04/2005
 27/03/2005 a 02/04/2005
 20/03/2005 a 26/03/2005
 13/03/2005 a 19/03/2005
 27/02/2005 a 05/03/2005
 20/02/2005 a 26/02/2005
 06/02/2005 a 12/02/2005
 30/01/2005 a 05/02/2005
 23/01/2005 a 29/01/2005
 09/01/2005 a 15/01/2005
 05/12/2004 a 11/12/2004
 21/11/2004 a 27/11/2004



OUTROS SITES
 Blog da Leila
 Blog do Ricardo
 Flog do Allan Hedler
 Flog da Fernanda (Vandinha)
 Flog da Sisa
 Flog da Sabrina
 Flog da Glorinha
 Blog da Glorinha
 Blog da Karla
 Meu fotolog
 Meu orkut


VOTAÇÃO
 Dê uma nota para meu blog!